Texto - Centenário

1° de setembro de 2010

Há 100 anos surgia o clube que faria história e mexeria com as emoções de uma multidão. Não imaginava-se que aquele time fundado por operários seria o clube mais amado, mais comentado, mais visado do país.

Em 100 anos passamos 23 deles sem títulos e nossa torcida só crescia. Em 100 anos, fomos rebaixados pra série B ao som de gritos “Eu nunca vou te abandonar, porque eu te amo”. Em 100 anos tivemos ídolos que honraram nossa camisa e que são eternizados por isso. Em 100 anos conquistamos o Brasil, amando ou odiando, todos sentem algo pelo Corinthians. Em 100 anos conseguimos vitórias épicas, nos últimos minutos. Em 100 anos nos transformamos no time da raça, no time do povo. Em 100 anos o Corinthians conseguiu unir em sua torcida, pobres, ricos, brancos, negros, católicos, protestantes, sem diferença, sem preconceito, unidos em uma só voz para empurrar esse time pra vitória.

E não é a toa que dizem que o Corinthians é diferente... Somos diferentes porque o resultado não é fundamental para nós. O que se tornou fundamental em nossas vidas é ver o Corinthians jogar, é demonstrar que amamos esse time, é honrar seu nome na vitória ou na derrota... Nossas vitórias são mais alegres, nossas derrotas mais sofridas... Aqui treino é jogo e jogo é decisão.

Obrigada Corinthians por nos fazer sentir as mais diversas e inexplicáveis emoções, que só quem é Corinthiano sabe. Obrigada por nos ensinar que nunca podemos desistir. Obrigada Corinthians por nos tornar iguais, mesmo no país das diferenças.

E poder estar presente no centenário Corinthiano é uma das maiores alegrias que um corinthiano pode ter. A data mais esperada de um clube... Aliás, não de um clube qualquer e sim do SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA, nossa vida, nossa história, nosso amor!

12 comentários:

Cris disse...

Parabéns, ao Corinthians, pelos 100 anos de muita paixão e luta!

Tu és o Campeão dos Campeões!

Ótimo blog... Bjos

Jordana Alves Prado disse...

amo timão

forever ♥

sempre na perca e no ganho amo o corinthians

pra miim e tudo'

digobrasil disse...

corinthians forever!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Rafaela disse...

Corinthians minha Vida...minha História...meu Amor!

Eu nunca jamais irei te abandonar, pois o AMOR que tenho por ti coringão é ETERNO!

Vaiii Corinthians!

Leandra disse...

sem palavras pros torcedores ate pro corinthains pq foi sem anos de gloria sem anos de amor sem anos de perda sem anos de vitoria sema nos de impate
quase que choro nessa parte do texto:Em 100 anos passamos 23 deles sem títulos e nossa torcida só crescia. Em 100 anos, fomos rebaixados pra série B ao som de gritos “Eu nunca vou te abandonar, porque eu te amo”.
nos torcedores amomos o corinthians nos rebaixamentos pq é o maior time do brasil
corinthains eu te amooooooo

vicmiley disse...

eeu tte amo corinthians ♥

vik machado disse...

Corinthians um amor sem limites ç2

loucos por ti corinthians !

pijama de urso disse...

des de piquena apachonada pelo corinthias nunca vou deixera ele para tras sempre na fernte de tudo !!!!!!

renata disse...

na vitória ou na derrota eu grito forte
CORINTHIANS ATÉ A MORTE..
timao vc é eterno

renata disse...

na vitória ou na derrota eu grito forte
CORINTHIANS ATÉ A MORTE..

↘ DEPOIMENTOS TIPO COLOMBIA $/ disse...

É amanhã. Foi ontem. É hoje. Será sempre. O Corinthians não precisa de data para celebrar. Só precisa de Corinthians.
Pode parecer mesquinho para os outros, onanista, até. Mas isso é Corinthians para quem de fato importa – o corintiano. Basta existir.
O fiel não precisa de jogo, de estádio, de adversário, de futebol, de campeonato, de gol, de vitória, de título.

O corintiano só precisa do Corinthians para ser feliz.

Só precisa de outro corintiano para fazer festa. Ele se encontra pela rua e confraterniza como se visse um Luisinho, um Marcelinho, um Neco, um Neto, um Rivellino, um Sócrates, um Wladimir, um Cláudio, um Biro-Biro, um Zé Maria, um Basílio, um Gilmar, um Brandão, um ídolo. Um corintiano. Que não precisa ser craque, pode até ser bagre. Desde que saiba que a camisa não é um símbolo. É tudo. É Corinthians.

Não é um bando de loucos. É um corintiano. Definição precisa e perfeita. Completa e complexa. Mas simples como um torcedor que ama o time como ama a família. Se não torce de fato mais pelos 11 que jogam por todos que pelos entes queridos. Afinal, é tudo do ente. É tudo doente. É tudo Timão.

O Corinthians não é a vida de um corintiano.
Antes de ser gente ele é Corinthians.
Por isso tanta gente é Corinthians. Num Brasil imenso e injusto socialmente, o campeão dos campeões paulistas é dos maiores fatores de inclusão, justiça e igualdade no país.

Não por acaso é nação dentro deste continente. Tem regras complicadas, tem razões malucas, tem paixões regradas. Tem de tudo e tem para todos no Parque São Jorge. Na casa por usucampeão Pacaembu. No Morumbi tantas vezes palco das festas. No Maracanã campeão mundial em 2000. Nas tantas praças brasileiras que viraram casas corintianas em títulos e troféus. Até mesmo nas dores que não murcharam amores. Até mesmo nas vergonhas nos gramados e nos sem-vergonhas das tribunas e tribunais, o Corinthians sempre soube ganhar como raros, e até soube perder como poucos. Mesmo perdendo a cabeça e perdendo o juízo. Mas jamais perdendo o coração.

Doutor, eu não me engano, mesmo que meu coração seja o oposto do corintiano, não há nada que bata tanto e por tantos como esse que se diz maloqueiro e sofredor, graças a Deus!

Esse prazer de eventualmente sofrer é exclusividade alvinegra. Esse amor não se explica. É um presente. É um dom. É uma doação, mesmo quando mais parece uma danação. É sina que não se explica, que fascina até quem não é, até quem não gosta. Não sei explicar o Corinthians. Nem os corintianos conseguem.
Mas nada disso é preciso. O que importa é que sempre haverá no estádio e em cada canto um fiel. Um estado de espírito alvinegro. Um torcedor que acredita sem ter por que; que torce sem ter por quem; que joga sem ter com quem.

Listar os títulos corintianos não é fácil. Mais difícil é compreender um torcedor que até se orgulha dos fracassos. Até na segunda dos infernos. Em 2008, vi gente acreditando como sempre desde 1910. Vi fiel não abandonando. Não parando. Acreditando. Corintianando.
Fiel pode até ser rebaixado – mas não se rebaixa. Raros sabem perder e ganhar como nenhum outro jamais venceu.
Ainda mais raros (embora muitos) nasceram sabendo que quem ama não perde. Podem até ter times melhores. Mas mais amados?
Nestes 100 anos, não conheço igual.
Até porque quarta-feira não será um dia especial.
Desde 1º. de setembro de 1910, todos os dias são especiais.
Todos são dias de Corinthians.

↘ DEPOIMENTOS TIPO COLOMBIA $/ disse...

É amanhã. Foi ontem. É hoje. Será sempre. O Corinthians não precisa de data para celebrar. Só precisa de Corinthians.
Pode parecer mesquinho para os outros, onanista, até. Mas isso é Corinthians para quem de fato importa – o corintiano. Basta existir.
O fiel não precisa de jogo, de estádio, de adversário, de futebol, de campeonato, de gol, de vitória, de título.

O corintiano só precisa do Corinthians para ser feliz.

Só precisa de outro corintiano para fazer festa. Ele se encontra pela rua e confraterniza como se visse um Luisinho, um Marcelinho, um Neco, um Neto, um Rivellino, um Sócrates, um Wladimir, um Cláudio, um Biro-Biro, um Zé Maria, um Basílio, um Gilmar, um Brandão, um ídolo. Um corintiano. Que não precisa ser craque, pode até ser bagre. Desde que saiba que a camisa não é um símbolo. É tudo. É Corinthians.

Não é um bando de loucos. É um corintiano. Definição precisa e perfeita. Completa e complexa. Mas simples como um torcedor que ama o time como ama a família. Se não torce de fato mais pelos 11 que jogam por todos que pelos entes queridos. Afinal, é tudo do ente. É tudo doente. É tudo Timão.

O Corinthians não é a vida de um corintiano.
Antes de ser gente ele é Corinthians.
Por isso tanta gente é Corinthians. Num Brasil imenso e injusto socialmente, o campeão dos campeões paulistas é dos maiores fatores de inclusão, justiça e igualdade no país.

Não por acaso é nação dentro deste continente. Tem regras complicadas, tem razões malucas, tem paixões regradas. Tem de tudo e tem para todos no Parque São Jorge. Na casa por usucampeão Pacaembu. No Morumbi tantas vezes palco das festas. No Maracanã campeão mundial em 2000. Nas tantas praças brasileiras que viraram casas corintianas em títulos e troféus. Até mesmo nas dores que não murcharam amores. Até mesmo nas vergonhas nos gramados e nos sem-vergonhas das tribunas e tribunais, o Corinthians sempre soube ganhar como raros, e até soube perder como poucos. Mesmo perdendo a cabeça e perdendo o juízo. Mas jamais perdendo o coração.

Doutor, eu não me engano, mesmo que meu coração seja o oposto do corintiano, não há nada que bata tanto e por tantos como esse que se diz maloqueiro e sofredor, graças a Deus!

Esse prazer de eventualmente sofrer é exclusividade alvinegra. Esse amor não se explica. É um presente. É um dom. É uma doação, mesmo quando mais parece uma danação. É sina que não se explica, que fascina até quem não é, até quem não gosta. Não sei explicar o Corinthians. Nem os corintianos conseguem.
Mas nada disso é preciso. O que importa é que sempre haverá no estádio e em cada canto um fiel. Um estado de espírito alvinegro. Um torcedor que acredita sem ter por que; que torce sem ter por quem; que joga sem ter com quem.

Listar os títulos corintianos não é fácil. Mais difícil é compreender um torcedor que até se orgulha dos fracassos. Até na segunda dos infernos. Em 2008, vi gente acreditando como sempre desde 1910. Vi fiel não abandonando. Não parando. Acreditando. Corintianando.
Fiel pode até ser rebaixado – mas não se rebaixa. Raros sabem perder e ganhar como nenhum outro jamais venceu.
Ainda mais raros (embora muitos) nasceram sabendo que quem ama não perde. Podem até ter times melhores. Mas mais amados?
Nestes 100 anos, não conheço igual.
Até porque quarta-feira não será um dia especial.
Desde 1º. de setembro de 1910, todos os dias são especiais.
Todos são dias de Corinthians.

Postar um comentário